Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

depois de mortos somos todos bons

"It's true. I'm kind of retarded. But I'm also kind of amazing." HM

depois de mortos somos todos bons

"It's true. I'm kind of retarded. But I'm also kind of amazing." HM

Porto

A minha cidade é magnética

É feita de risos perdidos

E energia poética,

Beijos roubados nas esquinas de pedra,

Dedos entrelaçados,

E espíritos mal amados.

A minha cidade é mágica

Cola-se rápido à ponta dos dedos

E leva no vento todos os medos.

A minha cidade é feita de nós

E desencontros.

O ar cheira a vinho forte e a rio Douro

Sabe a doce e a salgado

A memória e a Fado.

Aqui vivem os tontos

Os loucos

Os doidos

Os erraticos

Que nos roubam o coração

Com sorrisos enigmáticos.

A minha cidade tem eletricidade

A correr-lhe nas veias

A minha cidade

Faz-me perder as estribeiras

E dá choques constantes

Que fazem corpos vibrar

E almas estalar.

A minha cidade é feita de segredos

Gravados em paredes, páginas e tetos.

A minha cidade é assim

É rebelde e descuidada

Sem princípio nem fim.

Mas aqueles que aqui vivem

E os que passam e vão

Não esquecem nunca

Que já pisaram este chão.

Despidos de Pátria

Nascemos sem país.

Cantamos alto um hino nacional mudo e hasteamos com orgulho uma bandeira feita de coisa nenhuma, cosida pela mão de ninguém.

Nascemos sem país.

O chão que pisamos é feito de incerteza e estamos à espera de saber para onde vamos a seguir. Já nos compraram o bilhete de ida, mas ainda nos estamos a formar. Já nos colaram os pés ao chão, mas ainda estamos a aprender a sonhar. Já nos disseram que não podemos ficar aqui. Este não é o nosso país.

Nascemos sem país.

Já fizemos as malas. Com a roupa arrumámos também a vontade de ficar e a esperança de encontrar na terra que nos viu nascer novas janelas por onde pudéssemos voar.

Na bagagem levamos o futuro.

Para trás ficam o medo, as memórias e a saudade de uma casa que afinal não nos pertence. Aqui, onde enrolámos uma palavra na língua pela primeira vez e onde aprendemos a balançar os pés no chão, onde nos fizemos homens e mulheres, onde vivemos, amámos e fomos felizes, aqui não é o nosso país. Aqui, onde escrevemos um futuro com bonecas, plasticina e carrinhos de brincar, aqui onde o tempo é ameno e o sol nos abraça, onde se fala a língua de Pessoa e se ouve cantar a saudade, aqui não é o nosso país. Nascemos sem país.

O nosso país é um qualquer. O nosso país é aquele onde estão a contratar alguém com   as competências que nos deram neste algures que afinal não é nosso. Não interessa se lá faz tanto frio que não conseguimos sentir os dedos. Não interessa se não conseguimos perceber metade das palavras que lá dizem. Pouco ou nada importa se não é lá que estão os braços quentes da mãe e e o consolo do pai e se no Natal não conseguimos férias para ir ver filhos, mulheres e maridos. O nosso país é um qualquer, desde que nos garanta a sobrevivência quando o mês chega ao fim.

Choramos por nós e por quem se recusou a lutar pelo nosso direito de ter este Portugal.

Atiraram para o ar promessas meio desfeitas e sorrisos condescendentes, apareciam, volta e meia, de fatinho engomado e programa eleitoral na ponta da língua, garantiam que iam fazer tudo – tudo! – o que pudessem para tornar nosso este país.

Entretanto a coisa foi-se complicando, os nós apertaram e as estradas estreitaram, e dar-nos um país foi coisa que se tornou impossível. Cruzaram os braços e sacudiram-nos daqui para fora. Mas a culpa não foi deles. Já devíamos saber que nascemos sem país.

Temos o peito pesado de mágoa e um adeus já preso na língua. Os pés andam cansados de pisar chão incerto. Partir? Pois, que remédio. Se nascemos sem país não deve custar nada.

Ainda assim temos medo.

O medo não é partir. O medo é nunca mais voltar.

Sou poeta

sou poeta de nascença, feita de carne e osso

sangue sujo e descuidado

desde o momento em que rasguei

um ventre amaldiçoado.

sou poeta de lápis e caneta

não tenho noções, não sei definições

poeta de pele clara e alma preta

sem sentimentos ou emoções.

sou poeta de coração aberto,

de cabeça frágil,

de espírito ágil

e corpo liberto.

sou poeta cantora,

sou miúda sonhadora

de pensamentos minados

de sonhos inacabados.

sou poeta de início, sou poeta de fim

sou poeta de lavanda, sou poeta de jasmim.

sou poeta dançarina,

poeta de seda fina.

sou poeta de noite, sou poeta de dia

sou poeta odiada, sou poeta preferida.

sou criança crescida,

destruída

adormecida pela vida.

sou poeta de Céu, sou poeta de Inferno

obrigada a escolher um lado:

dou a mão a Deus, vendo a alma ao Diabo.

sou então poeta

poeta fingida,

poeta estarrecida,

poeta na vida,

poeta na morte,

poeta cansada,

à espera de sorte.